Canto a Leopardi

Ah, mas da voz exanime pranteia
O coração afflicto respondèndo:
“Se é falsa a idéa, quem me deu a idéa?
Se nao ha nem bondade nem justiça
Porque è que anceia o coração na liça
Os seus inuteis mythos defendendo?

Se é falso crer num deus ou num destino
Que saiba o que é o coração humano,
Porque ha o humano coração e o tino
Que tem do bem e o mal? Ah, se é insano
Querer justiça, porque qu'rer justiça
Quere o bem, para que o bem querer?
Que maldade, que que injustiça
Nos fez p'ra crer, se não devemos crer?

Se o dubio e incerto mundo,
Se a vida transitoria
Têm noutra parte o intimo e profundo
Sentido, e o quadro ultimo da historia.
Porque ha um mundo transitorio e incerto
Aonde anda por incerteza e transiçao
Hoje um mal, uma dor, e, , aberto
Um só dorido coraçao?

A paysagem de gelo interior
Da vida, mixto vao de goso e dor,
Mas, porque mixto, má, e porque má

E a mente
Contempla em extase sem fé nem calma
O abysmo que é o mundo para a alma—
O todo—sta

Assim, na noite abstracta da Razão,
Inutilmente, magoadamente
Dialôga comsigo o coração,
Falla alto a si mesma a mente;
E não, ha paz, nem conclusão
Tudo é como se fôra inexistente.
Rate this poem: 

Reviews

No reviews yet.